Cavaleiro De Paus Falando Sobre Desejos Carnais E Necessidades Sexuais

O tantra arcano CAVALEIRO DE PAUS resolveu soltar o verbo… Vamos aproveitar a oportunidade e ouvi-lo com atenção! O cara já andou tanto por aí, rodou mundo, caiu, levantou… afinal, ele vivenciou os naipes de Ouros, de Espadas, de Copas para, finalmente, chegar ao naipe de Paus. A juventude e a aventura são a sua tônica. Mas não te engana, não é a juventude e a aventura imaturas; é a juventude com a experiência e a sabedoria da velhice, e é a aventura precedida por uma preparação meticulosa, quando, é claro, há condições de se planejá-la; do contrário, ele não hesita em jogar-se na Vida de alma e de coração.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais
Tantra arcano Cavaleiro de Paus

Mas, sem mais delongas, vamos ao tema: desejos carnais e necessidades sexuais. Basicamente, desejos carnais provêm da mente/ego, como sentimentos compulsivos, automáticos, inconscientes… Necessidades sexuais provêm da inteligência instintual, animal, biológica. Desejos e necessidades diferem de pessoa para pessoa. Os desejos não são importantes para a vida de alguém, mas as necessidades sim. Para manter-se vivo e saudável nosso corpo tem certas necessidades, como dormir, beber, comer, higiene pessoal, exercício físico… e sexo. A energia sexual é a nossa energia mais poderosa e, como qualquer energia, precisa ser expressa, precisa ser vivenciada.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

Assim, manda ver… Não fica te reprimindo nem fica te comparando com esse (a) ou aquele (a). Cada pessoa é única e, portanto, com necessidades e desejos diferenciados. O importante é manter o equilíbrio. Energia demais faz mal e energia de menos também. Tem parceiro (a)? Que legal! Não tem parceiro (a)? Que legal também… Não é bom para ti ficar mendigando o desejo nem o amor de ninguém. Ousa te conhecer primeiro, te explorar primeiro, ousa ser o teu melhor parceiro (a) sexual! Fode contigo mesmo, transa contigo mesmo, e ama a ti mesmo! Não há separação entre amor e sexo, tudo é a mesma energia de vida.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

Tu podes pensar assim: Ah, mas eu tenho uns desejos e umas necessidades estranhas, anormais…!!! Olha, se isso te serve de consolo… de longe todos são normais e, de perto, todos são anormais. Eu sinto desejo por homens, por mulheres, por pessoas trans… tenho desejos gays, além dos desejos “normais” ou heteros, eu gosto de sexo anal, quero ser passivo (a) ou ativo (a)… mulher com mulher, homem com homem, sexo a três, poliamor, swing, suruba, submissão, sodomização, dominação, crossdresser, lingeries, brinquedos… enfim, o repertório é variado e criativo. O normal é fazer, o anormal é não fazer. Sim, porque se tu não fazes tu fica pensando… pensando naquilo…

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

E “aquilo” reprimido fica te incomodando, te tirando o sono, te tirando a paz. Mas, por outro lado, se tu fazes, tu ficas querendo fazer cada vez mais… podes ficar viciado, compulsivo por sexo. E aí, como sair dessa roubada? Equilíbrio meu (a) caro (a), e cada um tem o seu próprio equilíbrio. Para conquistá-lo é necessário consciência. Os desejos carnais e as necessidades sexuais às vezes se misturam. É necessário vivê-los, com consciência, para poder distinguir uns dos outros. Consciência sempre alerta, atenção no presente, fazendo do sexo solitário, ou a dois ou a três, uma cerimônia, uma celebração à Vida e ao Divino.

Joel Munhoz (Olói)

Relacionamentos Tântricos / O Ideal E O Real

Há relacionamentos e relacionamentos. Mas como serão ou ocorrerão os relacionamentos tântricos ou à luz do tantra? É sempre bom lembrar que tantra é tudo o que é espontâneo e natural. Assim, tudo o que é forçado ou condicionado a ser desse ou daquele jeito para agradar esse (a) ou aquele (a) não é tantra. Há muitos ideais e ideologias por aí… Geralmente os relacionamentos, e principalmente os casamentos, seguem uma linha de conduta ditada pela cultura de uma determinada sociedade. Para nos relacionarmos tantricamente é necessário, então, nos despirmos das personas psicológicas para que possamos nos entregarmos para o relacionamento de forma autêntica.

Relacionamentos tântricos / o ideal e o real

Porém, primeiro é necessário aprendermos a viver sozinhos. Você precisa se amar por inteiro. Não adianta você amar somente a sua parte boa e detestar a sua parte ruim. Se amar de verdade é amar tanto os seus anjos quanto os seus demônios. Assim você será uma pessoa inteira que se bastará a si mesma, não dependerá do outro para ser inteiro ou feliz. Uma pessoa que se sente uma metade sempre procurará outra metade para ser completa. Isso gera dependência e todos os jogos de poder para se ter segurança de que aquela pessoa (sua metade) será sua para sempre. Esse é o amor apego baseado na posse, muito conhecido como amor romântico.

Relacionamentos tântricos / o ideal e o real
Tantras arcanos 10 A RODA DA FORTUNA e 6 DE ESPADAS

Mas… se você está num relacionamento e ainda não aprendeu a se amar primeiro, fique onde está para começar de onde está. Lembremos a máxima tântrica e zen: tudo o que é, é. Tudo o que está acontecendo agora é exatamente o que deveria acontecer. Vejamos, então, como você pode fazer o seu relacionamento se tornar tântrico! O tantra arcano 10 A RODA DA FORTUNA pode nos auxiliar a compreendermos melhor. A roda, no seu aro externo, representa as mudanças inevitáveis da Vida. No seu eixo interno representa o seu centro, a sua essência divina imutável. Assim, precisamos nos adaptarmos às mudanças externas sem perdermos a nossa essência jamais. Isso tanto na nossa vida individual quanto nos nossos relacionamentos íntimos, sexuais, amorosos.

Relacionamentos tântricos / o ideal e o real

Você precisa refletir profundamente: até que ponto, no seu relacionamento, você está se adaptando ou você está se violentando somente para agradar o outro. Ou, até que ponto, você está forçando o outro a se comportar de uma maneira que está violentando a sua própria natureza? O tantra arcano 6 DE ESPADAS mostra os relacionamentos idealizados. O tantra, nesta carta, diz: abandone os ideais de relacionamento (fórmulas prontas) e caia na real, construa a sua própria fórmula de relacionamento. Invista na intimidade com o outro. Mas, às vezes, você tem intimidade afetiva e amorosa com o parceiro (a), mas o mesmo não acontece no plano sexual. Assim, é justo que você tenha outra pessoa para realizar as suas necessidades sexuais.

Relacionamentos tântricos / o ideal e o real

Nós somos seres poligâmicos por natureza. A monogamia é uma imposição social. Temos que dar um jeito para transgredirmos estas regras sociais, morais e religiosas, para podermos seguir o nosso coração. A fidelidade é importante? Mas é claro, mas, antes de mais nada, você deve ser fiel com você mesmo (a). Como ser fiel com o outro se não se é fiel consigo mesmo? O seu parceiro (a) de relacionamento estável deve saber do seu outro relacionamento? Sim, se ele (a) estiver aberto (a) a esta sinceridade. Se não estiver aberto, não deve saber… Não estou aqui ditando regras, estou apenas apresentando alguns exemplos. Tudo é muito relativo, há tantas variáveis quanto relacionamentos.

O mais importante é você crescer como pessoa em todos os sentidos. E isso representa evolução de consciência. A pessoa em crescimento está sempre mudando externamente para manter-se cada vez mais fiel à sua verdadeira essência ou natureza. Assim, os relacionamentos em crescimento também estão sempre mudando, se adaptando aos novos estímulos da Vida. O mais importante é perceber se as mudanças que estão acontecendo provêm do seu eixo mais interno ou provêm de estímulos e modismos superficiais da sociedade à sua volta. Você pode mudar para ser cada vez mais você mesmo (a) ou você pode mudar apenas para corresponder a uma expectativa externa. No relacionamento deve haver um consenso entre adaptação de um ao outro. Tudo deve ser consensual para que não haja opressor (a) nem oprimido (a). Haverá dor? Sim, mas há muita diferença entre a dor do crescimento e a dor do sofrimento.

Joel Munhoz (Elóy)