Libertando O Sagrado Feminino O Mundo Se Torna Livre

Opa, Sagrado Feminino, o que vem a ser, afinal? É a verdadeira essência do feminino, muito além do seu estereótipo fabricado pela sociedade patriarcal e machista. Todos nós, homens e mulheres, somos femininos e masculinos na nossa psique. Porém, o Sagrado Feminino é muito mais ancestral, é ancestralidade de alma. A mulher, no conceito do Sagrado Feminino, ocupa um papel de destaque – sagrado e profano – na sociedade humana. Somente ela tem o dom de gerar e dar à luz a um novo ser. Isso é divino. Mas ela também tem o dom de iniciar o homem nos mistérios do sexo, muito além da sua mente ansiosa e imediatista. O homem comum, no momento do sexo, está ansioso pela penetração e, logo a seguir, pela ejaculação.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Mas o homem, que desce da sua arrogância machista e se deixa iniciar pela mulher, aprende as verdadeiras delícias do sexo. Assim, a meta fica em segundo plano, o que ele quer curtir mesmo, é a viagem. Não há melhor tratamento para ejaculação precoce do que deixar-se contaminar pelo Sagrado Feminino. As carícias, os toques, mãos que tocam e agarram com sutileza, amor, afeto, e também com pegada selvagem. O equilíbrio entre a força e a sutileza, entre o masculino e o feminino, deslizando pelos corpos que expressam o seu tesão, a sua vitalidade; estado de alerta, consciência da respiração e de todas as sensações e sentimentos possíveis. Isto é Sagrado Feminino.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

O Feminino estereotipado oscila entre o papel da mulher submissa aos desejos e vontades do macho e o papel da mulher que se tornou masculinizada só para conquistar os mesmos direitos civis do homem. Ambos os papéis são fortalecedores do machismo. Vamos refletir juntos sobre a sexualidade feminina. E também masculina, porque uma não existe sem a outra. A sociedade tem uma visão muito deturpada sobre amor e sexo. Usando dogmas morais e religiosos obrigaram as pessoas a serem propriedade umas das outras nos relacionamentos. Vejamos o modelo convencional de relacionamento: duas pessoas se apaixonam (heterossexuais), se casam perante a justiça e a igreja, e juram fidelidade para sempre. Ora, isso já constitui uma violência contra os hormônios sexuais, contra a biologia, contra a inteligência do instinto e, por conseguinte, contra o Feminino Sagrado Ancestral e Selvagem.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Sim, porque o Feminino Sagrado, antes de mais nada, é selvagem. Tanto que para ilustrá-lo há muitas deusas selvagens, como por exemplo: Kali e Lilith, e demais deusas dos reinos e elementos da natureza das mitologias de todos os povos. Terá o selvagem realmente a conotação “selvagem” que damos para eles? Certamente que não, pois eles são, em muitos aspectos, muito mais civilizados e humanos do que nós. As culturas precisam ser libertadoras e não castradoras da nossa liberdade natural, divina e cósmica. Não é isso o que se verifica no nosso mundo civilizado. Devemos regredir e voltarmos a viver como selvagens? Não, é claro que não, mas podemos muito bem aprender – ou reaprender – com eles, com os povos originários, a nos harmonizarmos novamente com os ciclos femininos da mãe Natureza.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Em nossa arrogância intelectual nos vemos separados da natureza e, por conseguinte, precisamos dominá-la. “Santa” ignorância! Este comportamento nada mais é do que dar um tiro no próprio pé. No meu ponto de vista quem colaborou muito para nos distanciarmos da natureza – e de nós mesmos – foi a Santa Madre Igreja, que de santa não tem nada. A estratégia usada foi distanciar as pessoas da sua própria energia sexual. Assim, a nossa energia sexual, que é natureza pura, instinto puro, foi pervertida em sexualidade doentia. Transformaram a mulher (a Sacerdotisa iniciadora nos mistérios do sexo e do amor) em prisioneira e objeto sexual do homem. Quando uma massa crítica de mulheres se libertarem desse jugo milenar, libertarão a sua própria energia sexual, retornarão ao seu estado original de putas sagradas, serão novamente caçadoras… O mundo, então, se tornará livre.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

O poliamor está aí, batendo na bunda… Ninguém é dono de ninguém. Podemos amar uma pessoa, duas pessoas, ou até mais… E podemos nos relacionar sexualmente com mais pessoas. Por que não? Afinal, o sexo não é uma brincadeira biológica? Desde que haja consenso entre as partes, atração e tesão, está valendo… para todas as identidades de gênero e orientações sexuais. Todos somos putos e putas sagrados. Assim, a traição e a infidelidade são eliminados naturalmente. A pluralidade de experiências sexuais e amorosas é enriquecedora para todas as pessoas. Desde que haja abertura, honestidade e autenticidade. Se torna doentia quando é feita às escondidas, reprimida por regras morais e religiosas… Esta é a razão de todas as perversões sexuais. O poliamor e os relacionamentos abertos são promíscuos? Posso dizer, com experiência própria, que não. Quanto mais liberdade se tem para os relacionamentos, mais nos tornamos seletivos, e essa seleção não vem da mente/ego, é algo natural, proveniente do tesão, do coração e da consciência.

Joel Munhoz (Olói)

Onde Está A Proteção Contra O Coronavírus

E que tal o coronavírus, hein… Revolucionando a tudo e a todos! Chegou pra ficar? Certamente que sim, é mais um vírus com quem conviveremos, juntamente com tantos e tantos vírus ao longo da nossa história humana. Este é o tal de Covid-19, um novo coronavírus. E aí, como vai você, com tantas informações de tudo que é lado?! Fica em casa, não fica em casa, confinamento vertical, confinamento horizontal… Olha, por via das dúvidas, vou ficando em casa, afinal sou do grupo de risco, já no grupo dos idosos hehe. Tenho 61 anos na cronologia, apesar de me sentir com 40 anos na biologia. Mas, se o que vale é a cronologia, vamos lá…

O fato é que este vírus está botando fogo na cola de muita gente boa, está nos fazendo ver que não somos porra nenhuma. As pessoas andam com o organismo muito frágil, imunidade lá embaixo. A população mais carente não só é desnutrida como vive em condições péssimas de higiene, sem saneamento, sem esgoto, aglomerados em pequenos espaços. A população classe média e alta, que tem acesso a maior variedade de alimentos, também não se alimenta bem. Ingerem muitos alimentos processados, industrializados, cheios de conservantes, glutamato monossódico, xarope de milho, e por aí vai… São alimentos de mentirinha que, além de não terem os nutrientes necessários ao organismo, vão empanturrando o infeliz de metais pesados e outras substâncias que promovem muito mais a doença do que a saúde.

Onde está a proteção contra o coronavírus
Tantras arcanos 11 A FORÇA e 6 OS AMANTES

Acrescente-se a isso a pouca ingestão de água de boa qualidade, as horas de sono reparador deficientes e a pouca exposição ao sol cujos raios UVB são vitais para a produção de vitamina D3, um hormônio, responsável por cerca de 10% do genoma humano. Além das doenças físicas também as doenças psíquicas geradas pelo estresse excessivo, pela ansiedade, pela depressão, etc., todas elas colaborando consideravelmente para que o sistema imunológico se torne cada vez mais debilitado. Aí vem qualquer vírus e faz a festa, encontrando o terreno fértil para que possa vingar e detonar o seu potencial destruidor.

Entretanto, como tudo tem o seu lado bom, o Covid-19 não foge à regra. Com o seu lado ruim de mortos e feridos, vem também muitos aprendizados tanto a nível individual como coletivo. Um deles é o fato de fazermos as pazes com a mãe Natureza. Nos distanciamos muito dela no nosso processo civilizatório. O nosso ego cresceu muito, está se achando o rei da cocada preta. Parece que estamos à parte da Natureza e podemos fazer com ela o que bem entendermos. Mas não é bem assim, o furo é mais embaixo… Somos a própria Natureza no que ela tem de mais complexo. Todo mal que fazemos a ela estamos fazendo a nós próprios, pois nós e a Natureza somos Um. O vídeo abaixo trata sobre isso. A proteção contra o coronavírus e todos os outros vírus se encontra no nosso pulsar com a Natureza num só coração.

Joel Munhoz Tarô Tântrico

(Elóy)