Cavaleiro De Paus Falando Sobre Desejos Carnais E Necessidades Sexuais

O tantra arcano CAVALEIRO DE PAUS resolveu soltar o verbo… Vamos aproveitar a oportunidade e ouvi-lo com atenção! O cara já andou tanto por aí, rodou mundo, caiu, levantou… afinal, ele vivenciou os naipes de Ouros, de Espadas, de Copas para, finalmente, chegar ao naipe de Paus. A juventude e a aventura são a sua tônica. Mas não te engana, não é a juventude e a aventura imaturas; é a juventude com a experiência e a sabedoria da velhice, e é a aventura precedida por uma preparação meticulosa, quando, é claro, há condições de se planejá-la; do contrário, ele não hesita em jogar-se na Vida de alma e de coração.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais
Tantra arcano Cavaleiro de Paus

Mas, sem mais delongas, vamos ao tema: desejos carnais e necessidades sexuais. Basicamente, desejos carnais provêm da mente/ego, como sentimentos compulsivos, automáticos, inconscientes… Necessidades sexuais provêm da inteligência instintual, animal, biológica. Desejos e necessidades diferem de pessoa para pessoa. Os desejos não são importantes para a vida de alguém, mas as necessidades sim. Para manter-se vivo e saudável nosso corpo tem certas necessidades, como dormir, beber, comer, higiene pessoal, exercício físico… e sexo. A energia sexual é a nossa energia mais poderosa e, como qualquer energia, precisa ser expressa, precisa ser vivenciada.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

Assim, manda ver… Não fica te reprimindo nem fica te comparando com esse (a) ou aquele (a). Cada pessoa é única e, portanto, com necessidades e desejos diferenciados. O importante é manter o equilíbrio. Energia demais faz mal e energia de menos também. Tem parceiro (a)? Que legal! Não tem parceiro (a)? Que legal também… Não é bom para ti ficar mendigando o desejo nem o amor de ninguém. Ousa te conhecer primeiro, te explorar primeiro, ousa ser o teu melhor parceiro (a) sexual! Fode contigo mesmo, transa contigo mesmo, e ama a ti mesmo! Não há separação entre amor e sexo, tudo é a mesma energia de vida.

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

Tu podes pensar assim: Ah, mas eu tenho uns desejos e umas necessidades estranhas, anormais…!!! Olha, se isso te serve de consolo… de longe todos são normais e, de perto, todos são anormais. Eu sinto desejo por homens, por mulheres, por pessoas trans… tenho desejos gays, além dos desejos “normais” ou heteros, eu gosto de sexo anal, quero ser passivo (a) ou ativo (a)… mulher com mulher, homem com homem, sexo a três, poliamor, swing, suruba, submissão, sodomização, dominação, crossdresser, lingeries, brinquedos… enfim, o repertório é variado e criativo. O normal é fazer, o anormal é não fazer. Sim, porque se tu não fazes tu fica pensando… pensando naquilo…

Cavaleiro de paus falando sobre desejos carnais e necessidades sexuais

E “aquilo” reprimido fica te incomodando, te tirando o sono, te tirando a paz. Mas, por outro lado, se tu fazes, tu ficas querendo fazer cada vez mais… podes ficar viciado, compulsivo por sexo. E aí, como sair dessa roubada? Equilíbrio meu (a) caro (a), e cada um tem o seu próprio equilíbrio. Para conquistá-lo é necessário consciência. Os desejos carnais e as necessidades sexuais às vezes se misturam. É necessário vivê-los, com consciência, para poder distinguir uns dos outros. Consciência sempre alerta, atenção no presente, fazendo do sexo solitário, ou a dois ou a três, uma cerimônia, uma celebração à Vida e ao Divino.

Joel Munhoz (Olói)

Libertando O Sagrado Feminino O Mundo Se Torna Livre

Opa, Sagrado Feminino, o que vem a ser, afinal? É a verdadeira essência do feminino, muito além do seu estereótipo fabricado pela sociedade patriarcal e machista. Todos nós, homens e mulheres, somos femininos e masculinos na nossa psique. Porém, o Sagrado Feminino é muito mais ancestral, é ancestralidade de alma. A mulher, no conceito do Sagrado Feminino, ocupa um papel de destaque – sagrado e profano – na sociedade humana. Somente ela tem o dom de gerar e dar à luz a um novo ser. Isso é divino. Mas ela também tem o dom de iniciar o homem nos mistérios do sexo, muito além da sua mente ansiosa e imediatista. O homem comum, no momento do sexo, está ansioso pela penetração e, logo a seguir, pela ejaculação.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Mas o homem, que desce da sua arrogância machista e se deixa iniciar pela mulher, aprende as verdadeiras delícias do sexo. Assim, a meta fica em segundo plano, o que ele quer curtir mesmo, é a viagem. Não há melhor tratamento para ejaculação precoce do que deixar-se contaminar pelo Sagrado Feminino. As carícias, os toques, mãos que tocam e agarram com sutileza, amor, afeto, e também com pegada selvagem. O equilíbrio entre a força e a sutileza, entre o masculino e o feminino, deslizando pelos corpos que expressam o seu tesão, a sua vitalidade; estado de alerta, consciência da respiração e de todas as sensações e sentimentos possíveis. Isto é Sagrado Feminino.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

O Feminino estereotipado oscila entre o papel da mulher submissa aos desejos e vontades do macho e o papel da mulher que se tornou masculinizada só para conquistar os mesmos direitos civis do homem. Ambos os papéis são fortalecedores do machismo. Vamos refletir juntos sobre a sexualidade feminina. E também masculina, porque uma não existe sem a outra. A sociedade tem uma visão muito deturpada sobre amor e sexo. Usando dogmas morais e religiosos obrigaram as pessoas a serem propriedade umas das outras nos relacionamentos. Vejamos o modelo convencional de relacionamento: duas pessoas se apaixonam (heterossexuais), se casam perante a justiça e a igreja, e juram fidelidade para sempre. Ora, isso já constitui uma violência contra os hormônios sexuais, contra a biologia, contra a inteligência do instinto e, por conseguinte, contra o Feminino Sagrado Ancestral e Selvagem.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Sim, porque o Feminino Sagrado, antes de mais nada, é selvagem. Tanto que para ilustrá-lo há muitas deusas selvagens, como por exemplo: Kali e Lilith, e demais deusas dos reinos e elementos da natureza das mitologias de todos os povos. Terá o selvagem realmente a conotação “selvagem” que damos para eles? Certamente que não, pois eles são, em muitos aspectos, muito mais civilizados e humanos do que nós. As culturas precisam ser libertadoras e não castradoras da nossa liberdade natural, divina e cósmica. Não é isso o que se verifica no nosso mundo civilizado. Devemos regredir e voltarmos a viver como selvagens? Não, é claro que não, mas podemos muito bem aprender – ou reaprender – com eles, com os povos originários, a nos harmonizarmos novamente com os ciclos femininos da mãe Natureza.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

Em nossa arrogância intelectual nos vemos separados da natureza e, por conseguinte, precisamos dominá-la. “Santa” ignorância! Este comportamento nada mais é do que dar um tiro no próprio pé. No meu ponto de vista quem colaborou muito para nos distanciarmos da natureza – e de nós mesmos – foi a Santa Madre Igreja, que de santa não tem nada. A estratégia usada foi distanciar as pessoas da sua própria energia sexual. Assim, a nossa energia sexual, que é natureza pura, instinto puro, foi pervertida em sexualidade doentia. Transformaram a mulher (a Sacerdotisa iniciadora nos mistérios do sexo e do amor) em prisioneira e objeto sexual do homem. Quando uma massa crítica de mulheres se libertarem desse jugo milenar, libertarão a sua própria energia sexual, retornarão ao seu estado original de putas sagradas, serão novamente caçadoras… O mundo, então, se tornará livre.

Libertando o sagrado feminino o mundo se torna livre

O poliamor está aí, batendo na bunda… Ninguém é dono de ninguém. Podemos amar uma pessoa, duas pessoas, ou até mais… E podemos nos relacionar sexualmente com mais pessoas. Por que não? Afinal, o sexo não é uma brincadeira biológica? Desde que haja consenso entre as partes, atração e tesão, está valendo… para todas as identidades de gênero e orientações sexuais. Todos somos putos e putas sagrados. Assim, a traição e a infidelidade são eliminados naturalmente. A pluralidade de experiências sexuais e amorosas é enriquecedora para todas as pessoas. Desde que haja abertura, honestidade e autenticidade. Se torna doentia quando é feita às escondidas, reprimida por regras morais e religiosas… Esta é a razão de todas as perversões sexuais. O poliamor e os relacionamentos abertos são promíscuos? Posso dizer, com experiência própria, que não. Quanto mais liberdade se tem para os relacionamentos, mais nos tornamos seletivos, e essa seleção não vem da mente/ego, é algo natural, proveniente do tesão, do coração e da consciência.

Joel Munhoz (Olói)