Ás De Ouros Na Casa 10 Materializando Fazer E Acontecer

Autenticidade tântrica no mundo das experiências. E não é que o ÁS DE OUROS retornou de novo:? Nesse meio tempo em que nada postei, trabalhei com o 9 de Paus sob a regência de Júpiter. Mas, agora, saiu novamente o ÁS DE OUROS, desta vez na casa 10 (Capricórnio). E é justamente neste momento em que estou tendo um pouco mais de tempo para escrever. Vamos lá!

A vida flui interminavelmente. Por mais que a morte nos dê a ilusão de que tudo que nasce um dia tem fim, a vida, na verdade, é interminável, pois está sempre renascendo. Quando a morte vem ela (a vida) desaparece para logo surgir em outro lugar. É como o sol. Ele morre no crepúsculo e renasce no alvorecer. Conosco não é diferente. Estamos sempre morrendo e sempre renascendo. Nossas células têm um ciclo de vida. Dependendo do tipo de célula é o tempo da sua vida. Quando elas morrem, células novas nascem no seu lugar.

Mas o que o ÁS DE OUROS tem a ver com isso? Tudo. Vejamos!

Autenticidade tântrica no mundo das experiências tudo que trabalhei na casa 6 atingiu o seu ápice

– Eu sou o ÁS DE OUROS, você já me conhece, eu nasço onde ninguém espera que algo de valor nasça.

Reflito sobre as palavras do ÁS DE OUROS. Eu próprio achava isso, parece que nada mais de valor poderia nascer ou renascer em alguns aspectos da minha vida. Me vem à mente a casa 10 e sua energia de Capricórnio. Hum… realização pessoal, exposição, profissão… Parece que tudo aquilo que trabalhei na casa 6 (Virgem) atingiu o seu ápice agora. Sim, certas coisas estão se realizando e se materializando na minha vida. Passei por um período terrível, mas é assim mesmo, quanto mais a noite é negra mais perto está o alvorecer.

– Legal, galera, vamos lá, vamos fazer e acontecer, foder e deixar foder.

Opa, quem é que apareceu por aqui com estas palavras de baixo calão? Po, fazia tempo que não ouvia, via ou escrevia esta expressão: “baixo calão”.

– Ah, sou eu, meu caro! Olha eu aqui. Huhuuuuu…

É O LOUCO em pessoa. Ele acena, inquieto, querendo fazer acontecer.

– Ah, então é você… Só podia ser, né… Mas me diz aí por que está tão agitado?

– Acabo de chegar de uma viagem ao centro da Terra onde presenciei cada coisa que nem mesmo sendo LOUCO para crer ou imaginar. Ouve com atenção!

– Tudo bem, amigão! Manda lá, sou todo ouvidos.

O LOUCO fecha os olhos como para recordar tudo o que viu. E começa a falar.

Autenticidade tântrica no mundo das experiências a energia manifesta pelos 9 provém do 1

Autenticidade tântrica no mundo das experiências sem experiência não há aprendizado– Sabe, eu andava passeando pelo reino de Agartha, pelos seus bosques luxuriantes, quando me deparei com agarthianos fazendo um ritual – não sei se é esse o nome que se dá aos habitantes de Agartha – mas digamos que seja. Bem, numa clareira do bosque havia 10 agarthianos. Um deles estava no centro do círculo composto pelos outros nove. Em suas vestes predominava as cores branca e azul. Eles caminhavam em círculo. Um pouco iam para a direita e um pouco iam para a esquerda. O que estava no centro permanecia imóvel na posição de lótus.

Este é o movimento da RODA DA FORTUNA, pensei. No plano vertical ela sobe e desce; no plano horizontal ela às vezes se move pra direita e, às vezes, pra esquerda. Mas o que isso representa neste momento? Preciso meditar no que me foi contado pelo LOUCO. Ele não dá a resposta, ele apenas aponta o caminho. Preciso percorrê-lo por minha conta e risco. O (a) agarthiano (a) do centro é o ÁS DE OUROS. Os nove agarthianos do círculo externo são a casa 10 (Capricórnio). Claro como água clara. A energia manifesta pelos 9 provém do 1. Em dado momento os 9 se movimentam sem nenhuma ordem. É confusão geral. Dançam, pulam, gritam, brigam, fazem sexo, se relacionam, enfim, fazem de tudo um pouco. Porém, o 1 do centro permanece firme.

Os 9 simbolizam a totalidade da humanidade com suas múltiplas formas de expressão. É a diversidade se manifestando em todas as áreas: raça, biotipo, cultura, religião, nacionalidade, identidade de gênero, orientação sexual, ideologia, política, filosofia, etc. As suas ações podem ser mais construtivas ou mais destrutivas de acordo com o seu grau de consciência. Este é o âmbito das experiências. Precisamos passar por elas. Sem experiência não há nenhum aprendizado. A autenticidade consigo mesmo é fundamental para que o aprendizado seja assimilado e transformado em sabedoria. Diz o Mestre que mais vale uma raiva autêntica do que um amor falso.

Por enquanto é isso, galera! Falaremos mais no próximo post. Inclusive e principalmente sobre o agarthiano que está imóvel no centro. Até lá!

Joel Munhoz Tarô Tântrico